segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Todos em alerta contra moradores intrusos no Paraguaçu


– Poxa, que saudades dos velhos tempos, não é Seu Siri Cascudo?
– Nem me fale, Velho Roubalo. Naquela época, não tão distante, a gente descia esse rio Paraguaçu até a comunidade de Nagé, em Maragogipe, depois voltávamos para São Félix e Cachoeira. E como nossas famílias eram grandes! Hoje está tudo mudado. Quase não encontramos mais ninguém daquele tempo.
– Pois é. Depois que os novos moradores vieram para o nosso rio, a coisa aqui complicou assustadoramente. Nunca mais aquela liberdade plena.
– Eu já perdi as contas, Velho Roubalo, de quantos moradores novos vieram para cá e poucos são os que somem para sempre.
– Não acredito, seu Siri Cascudo, que o Senhor ficava contando aquele monte de pneus, sacolas, garrafas e outros detestáveis moradores que entraram no nosso rio.
– No início contava sim, para vê até onde ia chegar tudo aquilo, mas depois notei que poucos se importavam com o nosso bem estar.
– Ah, você soube a causa da morte de nossa amiga Camaroa Gostosona, seu Siri Cascudo?
– Soube sim. Ela foi vítima de um pedaço de vidro que cortou seu pulmão. Mas ela não foi a única vítima desses estranhos moradores.  Já perdi muitos familiares e amigos.
– Seu Pititinga todos os dias faz encontros para ver como informar aos habitantes de lá de fora as nossas péssimas condições de vida, aqui no Paraguaçu.
– Eu tenho muitas ideias para tentar resolver esse problema, Velho Roubalo. Vou aparecer lá também esses dias, nessa tal reunião. Chega de água suja, de comida contaminada e de perdas de mariscos queridos por causa de estranhos moradores.
Concordo com você, Siri Cascudo. Precisamos resolver isso com urgência. A minha ideia seria juntarmos todos e escrever uma mensagem de socorro usando nossos corpos. O que acha?
– É uma boa. Vamos ver isso em conjunto e que tudo dê certo.

Por Valdelice Santos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Literando