segunda-feira, 5 de julho de 2010

Comemorações ao 2 de Julho acontecem sob fortes chuvas

Sessão solene à data Magna da Bahia

O tradicional festejo comemorativo da data magna da Bahia, o 2 de Julho, comemorado em São Félix, contou com a presença de figuras ilustres da política, como os deputados estaduais Luiz Argolo e Nelson Leal, além da sociedade civil sanfelista e cachoeirana. A forte chuva que caiu na cidade não impediu que as pessoas se deslocassem de suas casas para prestigiar o evento.
A seção solene realizada na Câmara Municipal teve como oradora a sanfelista Loan Kizzi Araujo Reina, procuradora da Fazenda Nacional. Ela descreveu a história do 2 de Julho, evidenciando a magnitude desta data, porém disse é que pouco lembrada no Brasil. Destacou dentro do 2 de Julho, o papel da mulher nas lutas pela Independência da Bahia: Joana Angélica, Maria Quitéria e Maria Felipa, ressaltando que esta pouco é lembrada, mas é tão importante como as outras. A indicação da oradora foi feita pelo edil Evaldo da Silva Batista (PT). “Eu não poderia deixar de indicar esta jovem de talento tão grande e que nos enche de orgulho a cada dia”, diz o edil.

Desfile cívico

Pelotão inicial do desfile

Após a sessão solene, deu-se início ao desfile cívico, tendo como temática “Conhecendo os heróis da Independência e valorizando os heróis do esporte”, com a participação de escolas municipais, fanfarras e bandas marciais da região, além de autoridades que acompanharam os carros do Caboclo e da Cabocla, figuras que simbolizam e homenageiam os que lutaram bravamente pela liberdade do Brasil.
Devido às fortes chuvas que vêm caindo na região durante a semana, o show pirotécnico não pode ser realizado, atração esperada por todos que foram ao evento. As fanfarras também tiveram problemas ao se apresentarem por causa do espaço que se encontrava alagado.
As comemorações ao 2 de Julho teve início ainda em 1821, motivada pelo sentimento federalista e emancipador de seu povo, e que terminou pela inserção na formação da unidade nacional brasileira, durante a Guerra da Independência do Brasil. Esta é uma data máxima para a Bahia e uma das mais importantes para a nação, já que, mesmo com a declaração de independente, em 1822, o Brasil ainda precisava se livrar das tropas portuguesas que persistiam em continuar em algumas províncias.


Caboclos

Símbolos do 2 de Julho


O Caboclo e a Cabocla são figuras simbólicas criadas para homenagear os batalhões e os heróis de 1823 que, pela bravura e coragem, lutaram pela liberdade do Brasil. A história conta que o povo resolveu fazer sua própria comemoração e, em 1826, levou uma escultura de um índio para representar as tropas, já que não poderia ser um homem branco, porque lembrava os portugueses, nem os negros que, na época, não eram valorizados. Vinte anos depois, a Cabocla foi incluída nas comemorações.
O Caboclo fica na cidade de Cachoeira e a Cabocla em São Félix, se encontram apenas nas festividades comemorativas da Independência da Bahia. No dia 24 de junho a Cabocla é levada pelas autoridades políticas e religiosas de São Félix até Cachoeira e retorna no dia 27, acompanhado do Caboclo, o qual é conduzido para Cachoeira após o desfile de 2 de Julho, acompanhado de autoridades desta cidade.

Valdelice Santos

Um comentário:

Literando