segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

A descoberta de Magalli


       Divertida, curiosa e muito travessa, assim era a pequena Magalli, que acabara de completar oito aninhos. Morava num sítio em Coqueiros, distrito de Maragogipe, com seus pais e seu irmão Gustavo.
       Magalli amava ficar na casa de sua avó materna, dona Dete, uma velha costureira de Coqueiros, que já não gozava bem de saúde. A menina gostava de fazer companhia a sua avó, em troca desta companhia, dona Dete a deixava revirar a casa de cabeça para baixo, mas nunca indagou o porquê de Magalli fazer tanta questão de remexer em todas as suas coisas.
       Um dia, meio que por acaso, Magalli resolveu contar a sua avó porque mexia nas suas coisas:
       – , já faz muito que eu procuro nas suas coisas e nas do vovô algum vestígio de qualquer outra coisa que me ajude a descobri o que eu serei quando crescer.
       – Minha querida Magalli, não é assim que se descobre o que queremos ser, geralmente as pessoas descobrem através daquilo que mais gosta de fazer, responde dona Dete.
       – Eu sei , mas eu queria fazer alguma coisa que lembrasse a senhora e meu vovô Pedro.
       – Olha, acho que me lembrei de uma caixinha que pode te ajudar. Está na terceira gaveta do guarda-roupa, no meu quarto. Era de seu avô e eu guardei depois que ele faleceu. Vá e pegue para você, diz dona Dete.
       Obedecendo a Dete, Magalli foi correndo pegar a caixinha. Ela abriu com tanta emoção e depois desabou no choro. Na caixinha tinha todas as fotos que seu avô Pedro tirou em suas viagens pelo Brasil. Naquele momento, Magalli não teve mais dúvidas do que iria fazer quando crescesse. E disse com veemência a Dete:
       – , eu vou ser uma grande fotógrafa, igual ao vovô Pedro.
       A e a neta se abraçaram emocionadas.

Valdelice Santos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Literando